Bem-vindo ao blog do Tiny

Qual a margem ideal para seu e-commerce?

Qual a margem ideal para seu e-commerce?

10.05.2018 por Daniela Borsoi em E-Commerce, Emprendedorismo

Veja como descobrir a margem ideal para colocar em seus produtos. Post em parceria com a Preço Certo.

Por: Preço Certo

Se você tem um e-commerce, com certeza já deve ter se perguntando como achar a margem ideal. Com mais de 600.000 e-commerces e esse número crescendo rapidamente, o aumento de competitividade é questão de tempo.

Para achar a margem ideal, você precisa ter um processo robusto de precificação. Garantir eficiência nesse processo é condição básica para manter competitividade e lucros.

Neste post, você vai entender melhor as diferenças entre margem de lucro bruta e líquida, além da importância de encontrar a margem ideal de lucro e precificar os produtos da sua loja de forma adequada e sem prejuízos.

De onde vem a margem ideal?

Errar em conceito é errar na metodologia por trás da precificação. Errar em cálculos é pura matemática — são duas coisas diferentes. De qualquer forma, é preciso ficar atento a esses fatores.

Antes de qualquer dica, você precisa mudar a mentalidade em relação à precificação. Por exemplo, se você precifica somente com markup, ou conforme a concorrência, já erra bastante em conceito, não no cálculo somente. O preço deve vir dos resultados, e não do seu custo.

Esse é o primeiro pilar importante para entender sobre precificação. Os resultados acima vêm da sua estratégia de lucro, e sua margem deve vir dela. Essa é uma etapa essencial e tem grande influência no desempenho do negócio.

Pratique preços pensando que, deles, vem sua margem, e da sua margem, vem o crescimento da sua empresa. O contrário disso seria precificar baseado em competição, em outras palavras, entrar na guerra de preços ou cobrir custos.

Sua margem (e, por isso, seu preço também) deve vir da sua estratégia de crescimento, e ter um preço competitivo não é questão de reduzir o valor de qualquer forma, baseando-se em qualquer informação, mas, sim, com uma gestão eficiente.

No entanto, o que fazer de forma prática? A tarefa é se perguntar primeiramente: “Quais são as minhas metas de lucro para o ano? E quanto pretendo ter de margem média dos produtos?”.

Respondidas essas perguntas, por exemplo, com a definição de 50% de margem média de contribuição (você quer uma máquina de lucratividade que gera cinquenta reais de lucro para cada 100 reais vendidos em média), é possível trabalhar a distribuição de margem.

No entanto, antes de entrar no passo a passo, vamos entender como se compõe o preço e saber mais informações relevantes para auxiliar na melhor compreensão do assunto para acertar na hora de compor preços.

Por que é tão importante saber a margem ideal de lucro?

O lucro é o que mantém uma empresa funcionando e o principal objetivo de todos os empreendedores. Ele é obtido depois de arcar com as despesas, e esse cálculo não pode ser realizado de forma arbitrária, pois pode causar sérios prejuízos.

A margem de lucro é um valor percentual importantíssimo para fornecer um controle e informações relevantes para a empresa, promovendo a rentabilidade das vendas, adequando o produto ao mercado de forma competitiva e sabendo, detalhadamente, quais itens estão vendendo mais, orientando melhor os futuros investimentos.

Quais são as principais diferenças entre margem de lucro bruta e líquida?

A margem de lucro bruta funciona como um indicador da rentabilidade das vendas realizadas e relata quanto exatamente o empreendedor obtém com a saída de um produto ou a execução de um serviço.

O cálculo da margem de lucro bruta é simples e indicado para cada item vendido, devido à variação do valor de lucro em cada produto. A fórmula é a seguinte:

margem bruta = (lucro bruto/receita total) multiplicado por 100

Já a margem de lucro líquida representa a relação entre as receitas e o lucro líquido, portanto, é o que a empresa ganha para cada valor investido como receita. O cálculo leva em consideração:

(lucro líquido/receita total), sendo o resultado multiplicado por 100

Resumindo, a diferença entre margem de lucro bruta e líquida é que elas trabalham com dados e indicadores distintos. A margem bruta apresenta a rentabilidade dos produtos, não de todo o empreendimento, e a margem líquida fornece um panorama dos lucros da empresa.

O que é necessário saber sobre precificação?

O ideal, depois de entender a finalidade da precificação, é compor corretamente seu preço e sua margem. Mas que margem é essa? A margem de contribuição é o que “sobra” depois que você deduz custos e despesas variáveis. Ela é o seu lucro bruto. Segue a fórmula:

margem de contribuição = valor de venda – custos e despesas variáveis diretas do produto (impostos, comissões, taxas)

No entanto, que custos são esses? Veja, a seguir, alguns custos para serem compilados.

  • Custos de fabricação ou aquisição

Agrega todos os pontos necessários para fabricação e aquisição de produtos, desde a matéria-prima, impostos, custos relacionados ao frete da matéria prima, mão de obra direta do produto, embalagem, brindes, por exemplo.

  • Fretes

Frete com certeza é uma dor de cabeça, ainda mais se você vender em marketplaces como o Mercado Livre, que tem frete fixo bastante alto. Esta é uma despesa que varia de acordo com a venda e deve ser considerada.

Se você pratica frete grátis, custeando isso na empresa e considerando como estratégia para adquirir vendas, não considere como despesa variável e sim como fixa, ou seja, como um orçamento de marketing (multiplicando vendas por frete). Depende da forma que você usa frete. É importante colocar ela na formação de preços.

  • Impostos e Comissões

Os impostos, bem como as comissões pagas a vendedores, marketplaces e demais canais de venda, impactam diretamente na precificação, uma vez que consomem parte do valor do preço de venda.

  • Taxa de Cartão de Crédito/Débito/Antecipação de Recebíveis e boleto

É muito importante levar em consideração as taxas pagas para as administradoras de cartão e métodos de pagamento.

Mas e a taxa sobre boletos? Como ela é pequena, pode ser considerada como custo fixo. Ou seja, multiplicar o custo do boleto pelas vendas e aplicar como custo fixo, assim como o frete em certas circunstâncias, conforme explicado.

Somente agora, ao entender todo o processo por trás, podemos entrar na construção da margem ideal.

Passo a passo para encontrar a margem ideal?

Sabendo sobre a finalidade da margem e como se compõem os preços, agora, é só colocar a mão na massa.

Você lembra que falamos que o preço deve vir da sua estratégia? Digamos que sua resposta fosse obter 50% de margem média, significando que a média das margens de seus produtos deve chegar a 50%. Seu trabalho, agora, é distribuir esse número ao longo da categoria de seus produtos.

Alguns terão margens maiores, outros, menores. Mas a média deve chegar à sua meta. Por exemplo, digamos que você venda duas cadeiras. É possível aplicar uma margem de contribuição de 45% em uma e de 55% em outra, assim, você terá 50% em média, meta estabelecida para ter seu crescimento desejado.

Lembre-se, no entanto, de que só você pode definir essa margem, já que é algo bastante peculiar para cada empresa que busca saber quanto deseja ou pode crescer. Portanto, ao distribuir essa margem média definida como meta, você monta a margem ideal para cada produto, dependendo de seu giro de venda.

Como a tecnologia pode ajudar?

Os softwares que auxiliam na gestão financeira, como o Tiny ERP, são ferramentas que otimizam as atividades de rotina e fornecem os dados e as informações necessários para o cálculo das margens. Com a ajuda da automação, o levantamento dos números será mais fácil de ser visualizado, permitindo à gestão ter uma maior segurança na tomada de decisão.

Os recursos oferecidos por um software agilizam os processos e ajudam a identificar os pontos de melhoria para proporcionar maior solidez e rentabilidade ao negócio. Além disso, quando os dados são inseridos corretamente, a confiabilidade é bem maior na apuração do faturamento.

Conhecer a margem ideal de lucro é também conhecer melhor o seu negócio, pois, para chegar até ela, é preciso analisar todos os números, a partir dos dados realizados, e gerenciar a informação criteriosamente para estabelecer as metas desejadas pela empresa.