Bem-vindo ao blog do Tiny

Endereços virtuais: Como usar para melhorar a experiência de compra

Endereços virtuais: Como usar para melhorar a experiência de compra

09.06.2020 por Théo Venturelli em Emprendedorismo

Endereços virtuais são locais para melhorar a logística de entrega do seu e-commerce e ampliar a sua presença digital. Veja como usá-los na sua empresa.

Endereços virtuais são locais para melhorar a logística de entrega do seu e-commerce e ampliar a sua presença digital. Veja como usá-los na sua empresa.

A crise do Coronavírus impôs o fechamento de muitos pontos físicos e impulsionou a digitalização do varejo com a criação em tempo recorde de milhares de lojas virtuais. Por mais que essa migração tenha sido rápida e compulsória, a expectativa é que o sucesso desse modelo leve muitas empresas a reavaliar as suas estratégias com as lojas físicas, principalmente devido ao seu alto custo comercial.

Entretanto, sem esses locais, poucas empresas têm uma malha logística com capilaridade para atender com eficiência as suas demandas, trazendo ainda mais pressão para as entregas. Esse aumento nas dificuldades tende a refletir ainda mais em altos custos e maiores prazos de recebimento que por fim resultam em experiências negativas de compra e muitos abandonos de carrinho.

A solução para esse problema não é simples, mas algumas alternativas como os endereços virtuais disponibilizados por alguns espaços de coworking, têm se mostrado bastante eficientes para melhorar as experiências de compra das lojas virtuais. Nesse artigo, vamos abordar o funcionamento desse serviço e como pode ser útil na sua empresa. Boa leitura!

Endereços virtuais na logística

Os clientes sempre buscam as melhores opções e sem dúvida, a entrega e devolução de mercadorias são parte fundamental na conclusão de uma venda. Comprar online está cada vez mais fácil e a loja física está perdendo importância, mas sem elas, como você pode oferecer mais alternativas para os consumidores?

Ponto de Retirada

Os pontos de retirada, ou pick-up points, são locais próprios ou de parceiros onde os seus consumidores podem escolher retirar os seus produtos. Grandes empresas de países da Europa e EUA já utilizam essa estratégia com enorme sucesso, usando por exemplo lojas de departamento e lockers espalhados por diferentes locais.

As principais vantagens são a facilidade para o cliente que pode agendar data e hora para retirada sem dificuldades na entrega, como acontece em áreas de risco por exemplo, e a redução de 30% a 50% nos custos com transporte devido a centralização do envio das mercadorias.

Logística Reversa

De modo análogo ao ponto de retirada, ter um local que facilite a devolução de uma mercadoria é ponto chave na retenção dos clientes. Quem já não teve algum problema na devolução de uma mercadoria? Por outro lado, quem já não teve uma boa experiência numa troca e voltou a comprar na mesma loja?

A dependência dos correios nesse processo de devolução, chamado de logística reversa, torna esse processo por muitas vezes traumático. Ao conseguir facilitar e simplificar essa questão, você ganha pontos com o seu consumidor. 

Essa foi a conclusão de um estudo realizado pela Ebit que concluiu que 92% dos clientes que fazem uma compra e precisam passar pelo processo de troca ou devolução voltariam a comprar na mesma loja se tiverem uma boa experiência de pós-venda. Dessa forma, se você quer se destacar é preciso olhar com atenção para a logística reversa como parte importante da experiência de compra nas lojas virtuais.

Experiência de compra omnichannel

Proporcionar mais facilidades para o consumidor, não só vai evitar uma percepção negativa, bem como, se bem trabalhada, pode transformar clientes em promotores da sua marca. Nesse sentido, integrar os canais físicos e online tem se mostrado de fundamental importância para se aproximar dos clientes, reduzir custos e os prazos de entrega.

Essas soluções inicialmente adotadas pelos grandes varejistas, que têm alto volume de investimentos e abertura para parcerias em vários locais, também está disponível para os pequenos varejistas através dos endereços virtuais. Para essas empresas, é uma oportunidade acessível para replicar estratégias bem sucedidas no seu e-commerce.

Endereços virtuais para divulgação e interação

Diversas pesquisas também apontam que os consumidores buscam referências na internet antes de efetuar uma compra o que torna obrigatório que a sua loja virtual tenha uma forte presença digital para conseguir bons resultados. Existem algumas alternativas muito úteis do Google como o Google Shopping, que pode ser usado através de integrações como as do Tiny ERP, e o Google Meu Negócio, este totalmente gratuito sendo necessário apenas um endereço comercial válido.

Google Meu Negócio

Essa ferramenta coloca a sua empresa na primeira página das buscas e facilita justamente a procura por informações tanto na rede de pesquisa padrão quando no Google Maps, além da possibilidade de incluir fotos e detalhes comerciais.

Um dos muitos recursos do Google Meu Negócio é permitir também comentários e avaliações dos seus clientes no seu perfil. Essa interação transforma a ferramenta em um excelente canal de comunicação para as empresas, pois você pode responder e criar uma forte aproximação social.

A quantidade de avaliações e respostas deixadas também estimulam os novos comprovadores e aumentam as chances de realizar novas vendas.

Conclusão

A eficiência na logística é um dos maiores diferenciais que uma loja virtual pode ter, resultando, no fim das contas, em mais vendas. Nesse cenário os endereços virtuais configuram uma excelente alternativa para melhorar o seu processo de entrega e devolução de mercadorias.

Além disso, esses endereços ainda permitem que você tenha uma estratégia local de marketing e tenham mais um forte aliado na jornada de compra dos consumidores. 

Dessa forma, mesmo a sua empresa sendo 100% online, ter um ponto de apoio físico tem se provado altamente recomendável. Esses pontos comerciais são locais estratégicos que aumentam a percepção de valor para o seu cliente e contribuem para diminuir objeções e a desconfiança de uma compra online.